5 mistérios nunca solucionados

0

É da natureza do ser humano fazer questionamentos sobre tudo à sua volta, mas as respostas para alguns mistérios são realmente difíceis de se obter. Há casos nunca foram solucionados, mesmo após intensas investigações e do uso de tecnologias e pesquisas.

Esses mistérios permanecem sem solução e seguem intrigando pesquisadores e curiosos de todo o mundo. Confira alguns desses casos:

1. Incidente do Passo Dyatlov

Em fevereiro de 1959, um grupo de nove esquiadores russos liderados por Igor Dyatlov partiram em expedição aos Montes Urais.

Todos foram encontrados mortos com sinais de muita violenta e a barraca em que estavam acampados foi rasgada de fora para dentro.

No local em que os esquiadores foram encontrados, haviam evidências de que eles tentaram fugir, mas não obtiveram sucesso.

Os corpos tinham fratura no crânio e costelas partidas, que devido a brutalidade, o ataque se revelava ter sido feito por uma criatura não humana.

Além disso, nas roupas dos esquiadores havia altos níveis de radioatividade.

2. O meteorito de Carancas

No vilarejo de Carancas, no Peru e próximo à fronteira da Bolívia, acontecimentos estranhos passaram ocorrer após a queda de um meteorito, em 2007.

A queda do meteorito resultou em uma cratera de cerca de 4,5 metros de profundidade e 13,5 metros de diâmetro.

De forma repentina, água fervente começou a brotar da cratera liberando gases fétidos. Isto fez com que a população do vilarejo apresentasse doenças estranhas com sintomas variados.

Ainda há mistérios a serem desvendados sobre o casso, mas acredita-se que os gases sejam resultantes do enxofre presente na composição das rochas do meteorito que entraram em contato com o arsênico presente nas águas subterrâneas do local, causando a liberação de gases tóxicos.

3. Pés humanos trazidos pelo mar

Na Colúmbia Britânica, no oeste do Canadá, ao menos 11 pés humanos foram encontrados na costa oceânica.

Esses pés apareciam em diversos pontos das praias da região de Georgia Basin e, curiosamente, eles estavam calçados. A maioria deles eram pés esquerdos.

Os mistérios acerca de como os pés chegaram até a costa da cidade e a quem eles pertenciam permanecem até hoje.

4. Desaparecimento dos faroleiros de Eilean Mor

Na Escócia, na ilha Eilean Mor, os únicos moradores do local desapareceram misteriosamente em 1900.

No dia depois do Natal, uma carga chegou para ser desembarcada na Ilha, mas ninguém foi recebe-la. O fato causou grande estranheza nos tripulantes, que lançaram sinalizadores para anunciar que estavam no local, mas não tiveram retorno.
Após isso, uma equipe de busca foi ao local investigar o que teria ocorrido com os faroleiros e, no local, encontraram a porta trancada.

O interior do farol e as acomodações estavam desertos, com as camas feitas e uma refeição intacta posta à mesa.

Esses indícios demonstravam que o local foi deixado às pressas. Além disso, três coletes salva-vidas haviam sumido.

Em uma análise dos documentos de registros do farol, Thomas Marshall, que era um dos faroleiros relatou que ventos muito fortes atingiram a Ilha e que ele nunca tinha visto algo tão semelhante e assustador. Esse registro foi do dia 12 de dezembro.

Nos registros seguintes, o faroleiro relata que o grupo estava pedindo a Deus para que a ventania tivesse fim. Na última página estava escrito: “A tempestade acabou, mar calmo. Deus está em tudo”.

Não se sabe nada sobre o desaparecimento dos faroleiros ou se eles caíram no mar. Durante meses, equipes de buscas procuram os homens ou os corpos deles, mas nada foi encontrado.

Um fato bastante intrigante é que o farol próximo, na Ilha de Lewis, não fez nenhum registro de tempestade e ventania.

5. A cunha de alumínio de Aiud

Em 1974, um grupo de trabalhadores da Romênia encontrou durante escavações três objetos diferentes.

Dois desses objetos foram identificados como ossos de elefantes pré-históricos, com uma idade média de 2,5 milhões de anos.
O outro objeto se tratava de uma cunha de alumínio que estava juntamente dos fósseis.

A descoberta da cunha intrigou, pois, o alumínio não era fácil de se produzir ainda no século XIX e pelo que tudo indicava estava enterrado a milhares de anos.

O mistério permanece até hoje e muitos dizem que a cunha de alumínio é uma evidência extraterrestre.

Deixe Um Comentário