5 superstições populares e suas origens

0

As superstições e crenças populares fazem parte de diversas culturas. Elas não possuem nenhuma base científica e são repassadas por gerações como uma verdade a ser seguida.

Você já se perguntou de onde surgiram superstições muito famosas, como aquela que diz que quebrar um espelho traz sete anos de azar?

Nós reunimos as crenças populares mais famosas e suas origens. Confira:

1. Cruzar com gato preto é um mal sinal

Esta, assim como outras superstições, teve origem na Idade Média quando havia um grande medo do oculto e de bruxarias. Muitas mulheres que eram consideradas bruxas foram queimadas vivas no período da Inquisição.

Por conta da pelagem preta e dos hábitos noturnos, os gatos pretos passaram a ser associados às trevas e bruxarias.

Havia uma crença também que as bruxas se transformavam em gatos pretos. Por isso, muitos desses animais também foram queimados nas fogueiras da Inquisição.

Até hoje os felinos de pelagem escura carregam esse estereótipo e são perseguidos.

2. Você terá sete anos de azar se quebrar um espelho

Esta supestição está ligado a crença dos antigos de que o espelho é uma prisão da alma. Assim, o espelho não somente reflete a imagem da pessoa, mas também sua alma.

Daí surge a lenda de que os vampiros não podem ser refletidos no espelho, pois essas criaturas não possuem alma.

Seriam necessários sete anos para que a alma se recuperasse da quebra do espelho. Durante esse tempo, a pessoa amarga um longo período de má sorte.

3. Passar debaixo da escada é prenuncio de morte

Na Idade Média, os invasores usavam escadas para invadir os castelos medievais.

Por isso, para evitar os intrusos, se jogava substâncias altamente perigosas e mortais dos altos dos muros. Assim, se alguém estivesse passando por baixo da escada estaria correndo risco de vida.

Outra explicação para essa crença é que uma escada encostada na pare ou aberta forma um triângulo que representa a Santíssima Trindade e passar no meio desse triângulo seria um desrespeito ao sagrado.

4. Apontar para a estrela faz crescer verruga no dedo

No século XV quando os judeus eram perseguidos pela Inquisição Europeia, esta crença foi espalhada e ganhou força.

No judaísmo se utiliza do calendário lunar, onde o aparecimento da primeira estrela, Vênus, significa o nascimento de outro dia.

Nas sextas-feiras, as crianças judias ansiavam pelo surgimento de Vênus no céu, pois significava que sábado, um dia considerado sagrado para os judeus, teria chegado.

Ao apontar a estrela, as crianças judias eram facilmente identificadas. Assim, os pais inventaram que ao apontar para Vênus uma grande verruga ia nascer em seu dedo indicador.

5. Bater na madeira três vezes evita que algo de ruim ocorra

Os antigos acreditavam que bater na madeira três vezes era uma forma de invocar os deuses.

As árvores, provedoras da madeira, são alvos frequentes de raios, que são interpretados por diversos povos como uma manifestação dos deuses.

Por isso, culturas como os indígenas americanos, fenícios, egípcios e entre outros acreditam que algumas divindades podem habitar dentro do tronco das árvores.

Assim, ao bater três vezes na madeira, você está invocando os espíritos evoluídos e pedindo proteção.

Deixe Um Comentário