Viagem ao centro da Terra: A teoria da Terra oca

0

Você já ouviu falar na teoria da Terra oca? Este questionamento é debatido na comunidade científica já há algum tempo e pressupõe que o nosso planeta é oco e que até mesmo há habitantes em seu interior.

No século XVII, Edmund Halley (1656 – 1742), um respeitado astrônomo britânico, foi o primeiro a levantar esta hipótese. Foi Halley quem fez os cálculos que previu a passagem de um cometa na Terra, o qual receberia seu nome.

A possibilidade de haver habitantes no interior da Terra

Edmund Halley possuía fascínio pelo campo magnético da Terra e, em seus estudos, descobriu que com o tempo este campo apresentava ligeiras variações.

Esta constatação fez com que Halley argumentasse que isso só seria possível caso houvessem diversos campos magnéticos. Foi a partir daí que ele passou a defender que a Terra era oca, o que seria uma explicação plausível para a variação do campo magnético.

Para Halley, a Terra seria composta por quatro esferas que estariam localizadas uma dentro da outra como camadas. Ele acreditava que o interior da Terra seria habitado e que existe atmosfera luminosa no interior de nosso planeta.

Ele também acreditava que as auroras boreais são gases luminosos da atmosfera interna que estão escapando pela crosta terrestre.

Outras teorias sobre a Terra oca

Com o passar dos anos, outras teorias foram surgindo com base nas ideias de Halley.

O matemático Leonhard Euler (1707 – 1783) também acreditava que a Terra é oca, mas ao contrário do pressuposto de que há quatro esferas em seu interior, para ele existia apenas uma camada oca. Esta camada teria um sol de quase mil quilômetros de extensão, que ofereceria luz e calor aos habitantes do interior do planeta.

Tempos depois, o também matemático John Leslie (1945 – 2010) seguiu essa premissa, mas ao invés de um sol, ele acreditava que existiam dois sóis na Terra oca.

O norte-americano John Symmes (1780 – 1829) era também um dos grandes defensores da teoria da Terra oca. Ele acreditava na existência de duas entradas para o mundo interior nos polos terrestres medindo milhares de quilômetros de diâmetro.

O governo dos Estados Unidos chegou a enviar uma expedição à Antártida, mas nenhuma evidência de abertura foi encontrada. No entanto, descobriu-se nessa expedição que a Antártida não era apenas uma calota de gelo gigante, mas sim um continente.

O mamute que teria vindo do interior da Terra

No século XIX, foi descoberto um mamute na Sibéria em muito bom estado de conservação. Com isso, Marshall Gardner, um defensor da Terra oca, afirmou que isso se devia ao fato de o animal ter saído recentemente pela abertura do Polo Norte e morrido congelado.

Gardner também acreditava que outros animais já extintos em nosso planeta continuavam vivendo no interior da Terra e que os mongóis e esquimós também seriam um povo originário da Terra oca.

Sociedade secreta relacionada à Terra oca

Uma sociedade secreta da qual diversos integrantes dos altos escalões do exército alemão nazista fariam parte estaria interessada no assunto. Essa organização era chamada de Sociedade Vril.

Uma história conta que Adolf Hitler teria enviado uma expedição à Antártida para fazer a exploração do mundo subterrâneo. A intenção seria descobrir e explorar a inteligência dos habitantes que lá viviam.

A ficção em torno da Terra oca

Com o passar dos anos, a teoria da Terra oca passou a ser vista como tema de ficção. Até hoje, nada de concreto que pudesse confirmar a teoria foi descoberto pelos geólogos, sondas e imagens de satélites.

Neste contexto ficcional, o livro “Viagem ao centro da Terra“, do escritor francês Júlio Verne (1828 – 1905), é o mais famoso. A obra que explora o tema e a existência de cavernas subterrâneas onde existiriam vida.

Deixe Um Comentário