7 fatos curiosos sobre o Monte Everest

0

O Monte Everest está localizado na Cordilheira do Himalaia na divisa entre o Nepal e a China (Tibete). O monte possui seu pico a 8 848 metros acima do nível do mar.

O nome Everest é uma homenagem ao engenheiro-cartógrafo galês, George Everest, que realizou o primeiro mapeamento da região. Até o ano de 1865, o Monte era chamado de Pico XV.

A seguir, conheça algumas curiosidades sobre o Monte Everest:

1. Rotas de escalada

Rota sudeste para o cume do Monte Everest

Por ser considerado a montanha mais alta do mundo, o Monte atrai muitos alpinistas de todo o mundo.

Há duas rotas principais de escalada, sendo uma pela parte sudeste, no Nepal, que é a rota padrão e outra pela face norte, pelo Tibete.

A rota padrão é considerada a mais fácil de escalar. Contudo, ainda assim há riscos causados pelas condições climáticas, avalanches, mal da montanha e etc.

2. As primeiras pessoas a chegarem ao cume da montanha

Edmund Hillary à esquerda e Tenzing Norgay à direita

Os primeiros alpinistas a tentar escalar o Everest foram alpinistas britânicos.

Na época, o Nepal não permitia a entrada de estrangeiros e os britânicos tentavam alcançar o monte pelo lado norte, a partir do Tibete.

Em 1921, os britânicos conseguiram chegar a 7.000m pela encosta norte.

Outra expedição de 1922 chegou a até 8 320 m, marcando a primeira vez que um humano conseguiu ficar acima de 8.000 metros de altitude. Contudo, uma avalanche na descida fez com que sete alpinistas morressem.

Em 1924, George Mallory e Andrew Irvine tentaram chegar ao cume, mas nunca mais voltaram. Os alpinistas chegaram a ser vistos no alto da montanha, mas nunca mais voltaram.

O corpo de Mallory foi localizado a 8.155 metros de altura. Há um debate de que eles haviam sido os primeiros a chegar ao cume do Monte Everest.

Em 1953, Edmund Hillary e Tenzing Norgay fizeram a primeira subida do Everest usando a rota sudeste.

Em 1960, a equipe de montanhismo chinesa de Wang Fuzhou, Gonpo e Qu Yinhua fez a subida pelo lado norte.

3. O Monte Evereste não tem a escalada mais perigosa

Montanha K2

A segunda montanha mais alta do mundo, a K2, com 8.611 metros é considerada a mais perigosa.

A K2 está localizada na fronteira entre China e Paquistão, no ponto mais alto da cordilheira de Caracórum.

Não é à toa que a K2 é conhecida como “montanha selvagem”, já que aproximadamente 1 pessoa morre a cada 4 que chegam no cume.

Para chegar ao topo da K2, o alpinista precisa enfrentar paredões, abismos mortais, nevascas e avalanches.

Por conta das condições extremas, a montanha nunca foi escalada no inverno.

4. Cadáveres ao longo do caminho

Corpo conhecido como “Green boots” (botas verdes) serve de referência para alpinistas

Em 2016, já haviam mais de 200 cadáveres ao longo da subida da montanha. Alguns deles chegam até mesmo a seguir como referência.

O maior acidente no Monte Everest ocorreu em 1996, quando 19 alpinistas morreram no mesmo dia de escalada. O acidente é narrado no livro “No Ar Rarefeito“, do jornalista Jon Krakauer.

Curiosamente, a maior parte das mortes ocorre na descida do monte.

5. Subir o Everest custa caro

Se você tem o sonho de subir o Everest, saiba que além da dificuldade para escalar o monte os custos variam entre 150 mil e 300 mil reais.

Isso porque a escalada precisa de guias e carregadores (sherpas), que são de uma etnia pertencente a uma região das montanhas himalaias.

Os sherpas são acostumados com o caminho e as condições climáticas, além de serem mais resistente à altitude.

Atualmente, o Nepal lucra cerca de 3,3 milhões de dólares em taxas de escalada, o que é também o sustento de milhares de guias e donos de hotéis no entorno.

6. Lixo pelo caminho

Além da grande quantidade de corpos, cerca de 50 toneladas de lixo foram deixadas pelos alpinistas.

Desde 2008, a Eco Everest Expedition vai até a montanha coletar lixo. O governo do Nepal também instituiu uma regra em que cada pessoa que escalar o Monte deve recolher pelo menos 8 quilos de lixo pessoal enquanto estiver descendo a montanha.

Caso isso não seja feito, eles perdem 4 mil dólares que é um depósito pago antes de se iniciar a escalada.

7. Aranhas saltadoras na altitude

Euophrys omnisuperstes

A espécie Euophrys omnisuperstes, mais conhecida como aranhas saltadoras do Himalaia estão escondidas entre fendas e encostas da montanha.

Essas aranhas já foram vistas em uma altitude de quase 7 mil metros, sendo, juntamente com algumas espécies de aves, praticamente os únicos animais que habitam de forma permanente na altitude elevada do Monte.

Deixe Um Comentário