Entenda como ocorrer a Síndrome de Burnout

0

Também conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional, a Síndrome de Burnout é um distúrbio psicológico causado pela tensão e estresse proveniente de condições de trabalho desgastantes.

A síndrome foi descrita pela primeira vez em 1974, pelo médico norte-americano Herbert J. Freudenberger. O nome vem da expressão em inglês “burn out“, e a tradução seria algo como “queimar por completo”.

A principal característica da síndrome é o estado de estresse crônico e tensão emocional ocasionada por condições de trabalhos, sejam elas físicas, psicológicas ou emocionais.

O portador dessa síndrome mede sua autoestima pelo seu sucesso profissional. Assim, o desejo de realização acaba se transformando em compulsão, o que gera desgaste físico e emocional.

Geralmente, esta síndrome se desenvolve em pessoas que trabalham em funções que exigem envolvimento intenso, como na área de saúde, segurança pública, educação, advocacia, setor bancário, etc.

Os sintomas da Síndrome de Burnout

O sintoma característico desta síndrome é a sensação constante de esgotamento emocional e físico.

A tensão constante pode provocar:

  • Lapsos de memória;
  • Dificuldade de concentração;
  • Mudança de humor de forma brusca;
  • Isolamento;
  • Sensação de incapacidade;
  • Confusão mental e despersonalização;
  • Comportamento agressivo;
  • Ansiedade;
  • Quadros de depressão;
  • Baixa autoestima, etc.

Já os sintomas físicos podem incluir:

  • Esgotamento físico;
  • Enxaqueca e dores de cabeça;
  • Palpitação;
  • Dores musculares;
  • Distúrbios gastrointestinais;
  • Dificuldade para respirar;
  • Hipertensão;
  • Insônia.

Os estágios da síndrome

Foram descritos os seguintes estágios da Síndrome de Burnout:

1. Dedicação intensa: a pessoa tem a necessidade de fazer tudo sozinha e a qualquer hora do dia. É como se o trabalho nunca terminasse;

2. Deixa as necessidades pessoais de lado: Deixa de socializar, se divertir e até mesmo comer e dormir para trabalhar;

3. Aversão a enfrentar os conflitos e problemas, mesmo sabendo que algo não vai bem;

4. Mudança de valores: o que antes era valorizado passa a ser deixado de lado, como lazer, amigos e família. A única coisa a ser valorizada é o trabalho;

5. Negação de problemas: Desvaloriza completamente as outras pessoas e as taxa como incapazes. A pessoa vai se tornando agressiva;

6. Recusa à socialização e diálogos, dando prioridade aos e-mails e mensagens;

7. Despersonalização: a pessoa pode se sentir fora do corpo, não se reconhecendo ou controlando o que diz;

8. Tristeza intensa: a vida perde o sentido, o que causa uma grande sensação de vazio e desesperança;

9. Colapso físico e mental.

O diagnóstico e tratamento da Síndrome de Burnout

Para fazer o diagnóstico, o profissional de saúde leva em conta o histórico profissional do paciente.

Muitas vezes, se usa também o questionário baseado na Escala Likert, que combina estatística e psicologia, para fechar o diagnóstico.

Já o tratamento inclui psicoterapia e recomendação de atividades físicas e de relaxamento. Tudo que faça desligar do trabalho e da sensação de culpa por não estar trabalhando.

Em casos mais graves, antidepressivos e ansiolíticos também podem ser receitados.

É essencial que a pessoa que apresenta os sintomas da Síndrome de Burnout não ignore seu quadro e procurem ajuda médica, já que cuidar da saúde mental é tão importante quanto cuidar da saúde física.

Deixe Um Comentário