Formas de transmissão e sintomas da febre amarela

0

A febre amarela é uma doença infecciosa causada por um vírus do gênero Flavivirus febricis, que é transmitido por mosquitos e possui como hospedeiro natural primatas não humanos que habitam florestas e matas tropicais.

Estudos que levaram em conta a genética mostraram que o vírus da febre amarela surgiu na África há cerca de três mil anos e chegou no nosso país em navios que trouxeram escravos.

Naquela época, as cidades não dispunham de saneamento básico, o que favoreceu a infestação de mosquitos.

Assim, o encontro do vírus da febre amarela com os mosquitos urbanos trouxe consequências maléficas para a saúde da população.

Mapa da disseminação da febre amarela

O ciclo de transmissão da febre amarela

Há dois tipos de febre amarela: a urbana e a silvestre.

A forma urbana da doença é transmitida pela picada do Aedes aegypti, que é também o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Esses mosquitos se proliferam em recipientes e locais com água parada e picam principalmente no começo da manhã e final da tarde.

Aedes aegypti

Já a forma silvestre da doença ocorre em macacos, que são hospedeiros do vírus transmitido pela picada dos mosquitos Haemagogus e Sabethes a outros macacos ou até mesmo a seres humanos não vacinados que frequentem o habitat natural dos primatas.

Sabethes e Haemagogus

Esses insetos vivem em áreas de cerrado e mata. Quando picados, os macacos se tornam vetores do vírus para sempre, reforçando o ciclo de transmissão macaco-mosquito-homem.

Por este motivo, a morte de primatas próximo às áreas urbanas é um sinal de que o vírus está circulando na região.

Os macacos não estão envolvidos na transmissão da febre amarela urbana, pois o homem é o único hospedeiro do vírus nas cidades. A transmissão ocorre quando o mosquito pica uma pessoa doente e depois uma pessoa saudável que não foi vacinada. Logo, o ciclo é homem- mosquito- homem.

Ciclo de transmissão da febre amarela

Forma urbana da doença já foi erradicada

No Brasil, a forma urbana da febre amarela já foi erradicada. O último caso que se teve notícia foi em 1942, no Acre.

Após isso, todos os outros os casos foram do tipo silvestre. Contudo, é preciso estar sempre atento, pois basta que uma pessoa seja infectada na região onde estão os hospedeiros e vetores silvestres do vírus para servir de fonte de infecção para o mosquito Aedes nas cidades.

Por isso, a vacinação é importante, já que é difícil fazer o controle da proliferação dos mosquitos nas zonas urbanas. Da mesma forma, é impossível eliminar os vetores silvestres da doença, pois eles fazem parte do ambiente natural que vivem.

Assim, a forma de combater a doença é impedir que o vírus transmitido pelos vetores silvestres penetre as zonas urbanas. Isso é possível com a vacinação das pessoas que vivem nas áreas endêmicas.

Os sintomas da febre amarela

Tanto na forma urbana como silvestre, os sintomas da doença são os mesmos.

Após introduzido no organismo dos humanos ou macacos, o vírus invade os vasos linfáticos dos doentes e cai na circulação, infectando as células de órgãos vitais, como fígado, coração, pulmões, rins e até mesmo o cérebro.

A pele e os olhos do paciente adquirem tons amarelado semelhante ao da icterícia. Os sintomas podem ser leves, sendo confundidos com uma virose, ou podem ser graves ao ponto de ocasionar a morte.

Em geral, o doente sente febre, dor de cabeça, calafrio, mal-estar, dores musculares, diarreia e tem vômitos. Esses sintomas aparecem cerca de três a seis dias após a picada do mosquito.

Em quadros mais graves há hemorragias e comprometimento do fígado, rins, pulmões, problemas cardíacos, convulsões e delírios.

Principais sintomas da febre amarela

O diagnóstico e tratamento da doença

O diagnóstico leva em consideração os sintomas e se o paciente já foi vacinado e a quanto tempo. É também questionado se ele esteve recentemente em áreas endêmicas.

Entretanto, só é possível fazer a confirmação a partir de exames laboratoriais. A confirmação no resultado é um alerta para a vacinação da população da área que o paciente esteve como forma de evitar a proliferação do vírus.

Confirmação da doença é feita por meio de exames laboratoriais

Para tratar a doença, não existe medicamento específico para acabar com o vírus. Recomenda-se repouso e cuidados para evitar as complicações da doença.

Os remédios com ácido acetilsalicílico são contraindicados por aumentarem os riscos de hemorragia.

Em quadros mais graves, pode ser preciso fazer transfusão de sangue e diálise.

A vacina para combater a febre amarela é eficaz?

A vacina contra a febre amarela é feita com o vírus vivo atenuado da doença. A administração é por via subcutânea e em dose única.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que uma dose única da vacina garante imunidade por toda a vida. Mas, cada país tem liberdade em escolher sua conduta.

No Brasil, a vacina é distribuída gratuitamente nos postos de saúde e, na maioria dos estados, faz parte do Calendário Nacional de Vacinação.

A vacina é aplicada em dose única, sem a necessidade de reforço, e deve ser tomada a partir dos 9 meses de idade.

Deixe Um Comentário